terça-feira, 11 de maio de 2010

Novos pregadores para uma realidade com novos paradigmas familiares.



Alguém já disse: “a Igreja é a única instituição que se preocupa com o ontem”. Estas palavras são simples; porém, sintetizam muito bem o nosso tema.
O mundo tem experimentado nos últimos 50 anos avanços inexplicáveis nas mais diversas áreas. A busca pela melhoria de vida trouxe muitas famílias do campo para cidade, e muitas delas nunca obtiveram este grande sonho nem mesmo suas gerações, pois vivem até hoje buscando seu espaço no mercado de trabalho.
Todos estes avanços têm mudado a história da sociedade, e obviamente têm atingido também as famílias. É bom relembrar os tempos em que o pai trabalhava cerca de 8 horas por dia, sendo que entrava no trabalho às 8:00hs, trabalhava até o meio dia e voltava para a casa. Em sua casa encontrava o almoço pronto, as crianças já banhadas e arrumadas para irem ao colégio. Esse pai almoçava todos os dias em sua casa, assistia ao seu programa de televisão, brincava com seus filhos, conversava com sua esposa, e na volta ao trabalho deixava seus filhos na escola, com a promessa de que às 18:00hs voltaria para as buscar. Então, às 18:00hs lá estava ele, no portão da escola, e de longe seus filhos vinham correndo e lhe davam um forte e caloroso abraço. Assim, juntos eles iam para casa, pois a mamãe trabalhara em casa a tarde toda e por isso estava a espera com o jantar semi-pronto e com todas as roupas lavadas, passadas e dobradas dentro das gavetas.
Hoje, o pai, muitas vezes, quando sai para trabalhar seus filhos estão dormindo, e ao voltar os encontra na cama dormindo novamente. A mãe já não é mais dona de casa, pois agora ela também precisa trabalhar fora. Com isso, a educação dos filhos é terceirizada, pois ficam com os avós, tios, ajudantes, vizinhos, escolinhas, ou com quem for. O que se pode afirmar é que as crianças do século XXI estão terceirizadas, e o reflexo desta terceirização nós acompanharemos daqui há aproximadamente vinte anos.
Vivemos em uma época onde tudo é descartável. No Japão, por exemplo, se o controle remoto de uma televisão quebrar, eles a jogam fora e compram outra nova. Esta concepção do descartável logicamente afeta as famílias. Assim, hoje não é difícil encontrarmos pessoas que estão no 3º ou 4º casamento. As pessoas que se casaram até os anos 90 do século XX ainda tinham em mente que o casamento era para sempre. Segundo o IBGE, em 1984 foram feitos, no Brasil, 30.847 divórcios, já em 2007 o número chegou a 179.342. Estes números expressam muito bem o que estamos descrevendo. A partir dos anos 90 a idéia de casamento foi se alterando e hoje ela é a seguinte: “case, se não der certo, não sofra, se divorcie e busque a sua felicidade com outra pessoa”.
É neste ambiente que a igreja esta inserida. E para cumprir seu papel de igreja, ela deve ter uma mensagem relevante para as famílias do século XXI. Mensagem esta que é confiada ao pregador, sendo ele pastor ou líder da comunidade. Tudo isso deve estar bem claro na mente do pregador, que deve saber que, ao subir num púlpito, está de frente tanto com pessoas que lutam por suas famílias, quanto com aquelas que, quando vierem os dias de luta, simplesmente desmanchariam os laços matrimoniais.
O pregador deve estar atento a tais mudanças no mundo. Aliás, o tema da Reforma Protestante no século XVI nos lembra disso: “Igreja reformada, sempre reformando”. Mas ao afirmar isso, uma pergunta emerge: como o pregador consegue ter uma mensagem relevante para estas famílias que estão em constantes mudanças? Mais difícil do que a pergunta é a sua reposta. Tentarei discorrer de forma sucinta com algumas dicas para o pregador. Porém, afirmar que descreverei sobre tudo o que um pregador precisa para atingir estes novos paradigmas familiares seria muita ganância da minha parte.
O pregador, sendo velho ou novo, deve conectar-se com o que se passa no mundo. Ele é aquele que deve andar com a Bíblia em uma de suas mãos e a revista Veja na outra. É impossível ter uma mensagem relevante se estivermos alienados do mundo. Aqui já encontramos um problema, pois a maioria de líderes mais velhos tem grande dificuldade com o “novo”. A impressão que nos dá é que para estes o “novo” não vem de Deus, e por isso não deve ser considerado.
Pensar em novos paradigmas familiares significa entender que dentro de uma família encontramos duas ou mais gerações que estão muito distantes. Um pai que nasceu nos anos 60 foi ver um computador de perto quando já tinha por volta de trinta anos. Hoje, o seu filho, ao sair da barriga da mãe, está sendo filmado e com dois anos de idade já assistirá o seu nascimento em vídeo cassete, no “DVD”, ou talvez em um “laptop”.
Pregadores relevantes devem estar dispostos a dialogar com o mundo. Porém, manterem-se firmes em seus padrões bíblicos. Alguém comprometido com a Palavra de Deus deve ter sabedoria e flexibilidade na maneira do transmitir, mas a mensagem a ser transmitida não pode ser negociada.
Deus estipulou valores familiares, estipulou até mesmo questões sobre o divórcio. Cabe aos pregadores o esforço de levar uma mensagem bíblica e fiel de maneira simples e impactante a seus ouvintes. A sua tarefa referente à mensagem para as famílias deve ter sempre um teor que preze o amor familiar. Os pais devem amar seus filhos e os educarem segundo as disciplinas do Senhor, os filhos devem amar e honrar seus pais, e todo ensinamento deve se desdobrar em amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.
Que Deus abençoe a vida de todos os ministros da Palavra, para que sejam profetas do Senhor, tendo sempre palavras sábias e que edifiquem as famílias deste século.

Daniel Martins Coelho.

7 comentários:

  1. Esse assunto pega hein!
    Ficou massa o texto, escreveu bem hein! Tá aprendendo heuaehuah
    A gente precisa mesmo se preocupar com isso...
    E o legal é que vc deixou bem clara a posição:
    acompanhar o mundo, sem deixar que ele te deixe para trás ou te influencie,
    mas modificando-o através dos ensinamentos de Deus.
    E a família é uma instituição que deveria ser mais respeitada.
    Muita gente sofre por isso...
    Curti, ficou muuito bem organizado o texto.
    Valew mano, abraço!

    ResponderExcluir
  2. de fato, famlilia é um dos assuntos mais polêmicos e ao mesmo tempo, um dos principais. Ter uma base de como construir uma familia 'exatamente' cristã e que possa lidar com o mundo de hoje, é uma das coisas mais importantes..
    Que Deus continue te abençoando meu amigo :)

    Flá

    ResponderExcluir
  3. Ameeei esse texto!
    Ficou super bacana ;D
    Realmente é um assunto que merece atenção. O mundo hoje em dia impõe limites, regras que influenciam a vida familiar. Contudo, é necessario que unidos os membros de uma familia busque a influenciar o mundo, e não que aceite passivamente ser influenciada e transformada! Os 'valores' ainda devem existir!
    eee para o discipulo de Deus é uma tarefa 'ardua' transmitir a mensagem do amor dEle em pleno seculo XXI porque, como foi muitooo bem colocado, há a necessidade de saber "o que se passa no mundo" e conciliar com a palavra que edifica nossas vidas!

    ResponderExcluir
  4. Priscila S Machado12 de maio de 2010 21:33

    ops, vc escreve bem, gostei de ler sua opnião e concordo com que vc diz. Realmente não é tarefa facil falar de Cristo, sem deixar pra trás os valores e principios Cristãos frente ao modismo do mundo de hoje, principalmente qdo envolve familia, aí entra aquele versiculo q diz Não vos conformeis com este seculo mas tranformai-vos pela renovação da vossa mente.
    Vc colocou esta questão bkna,
    abração, t+

    ResponderExcluir
  5. Correria. A sociedade contemporanea vem passando por um periodo muito conturbado, no qual a "falta de tempo" é presença marcante em todas as familias.
    Nos ultimos anos a 'essencia' do que significa ser/ter uma familia sofreu um enorme desgaste. A pressão do dia a dia, faz com que os pais já não se dediquem a cultivar um relacionamento 'em familia'.
    A união cedeu lugar a solidão; os pais já não dialogam mais com seus filhos, estes que por sua vez se encontram desamparados e a vida passou a ensinar-lhes lições, cujo resultados são muito mais dolorosos.
    E lidar com essa situação exige sim um conhecimento sobre a atualidade, sobre os avanços, sobre como a sociedade se comporta. Assim como você afirmou, os pregadores devem estar dispostos a dialogar com o mundo, procurar se adaptar a essas mudanças, visando sempre transmitir a palavra dEle.

    ahh parabeeens pelo texto :) uhuuull!!
    que o Pai te capacite sempre mais e mais!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, mto bom esse seu texto!
    Homenagem especial ao "mês da família" né?!

    Como todo mundo já disse ai em cima, tem sido cada vez mais raras as famílias nos moldes cristãos. Mas não podemos desistir. Com certeza tem mta gente buscando isso e com líderes direcionando suas vidas corretamente, tais pessoas podem fazer tamanha diferença na sociedade a ponto de influenciar a todos!

    Parabéns and God bless you always! ;)

    ResponderExcluir
  7. Infelizmente, para muitas pessoas, a família é uma instituição falida nos dias atuais...
    Quando um casal que tem filhos se separa, eles destroem não só a sua família, como também a família que seus filhos construíriam no futuro.
    É claro que nem sempre é assim...
    mas em muitos casos em que as pessoas acreditam que a família é uma instituição perdida, o exemplo vem de dentro de casa.

    ResponderExcluir